Uma sociedade de plantação

As grandes famílias de plantadores

Uma casa na costa a barlavento, Le Grand Hazier: história de uma concessão, um lugar e uma propriedade crioula de mais de trezentos

Claude ROSSIGNOL

Genealogista


Uma casa na costa a barlavento, Le Grand Hazier: história de uma concessão, um lugar e uma propriedade crioula de mais de trezentos

A propriedade do Grand Hazier é sem dúvida umas das mais antigas da Ilha da Reunião.

A primeira concessão foi outorgada entre 1674 e 1678  par le Gouverneur d’Orgeret  pelo Governador d’Orgeret a Jean Julien, um homem originário de Lyon nascido por volta de 1640, um antigo soldado ao serviço da Companhia das Índias francesas em Fort Dauphin. Estabeleceu-se com a sua esposa malgaxe na costa do barlavento e cultivaram as terras que possuía em Sainte-Suzanne e que lhe foram concedidas em 1703, criando algumas cabeças de gado e algumas aves de capoeira.

Os escravos sempre participaram no desenvolvimento da propriedade do Grand Hazier. Charles, um escravo oriundo das Índias, chegou com Jean Julien e a esposa e foi provavelmente o primeiro escravo a cultivar a concessão Grand Hazier. Em 1709, Jean Julien trocou  Charles por um dos escravos de Augustin Panon. O seu trabalho e conhecimento da propriedade foram provavelmente muito apreciados pelo recém-chegado de Toulon  que adquirira uns anos antes metade de Grand Hazier. Jean Julien, que tinha acabado de perder a mulher e estava a ficar velho, não podia continuar a manter a sua terra e escolheu confiar o cultivo da propriedade a Augustin Panon.

Doação de um escravo, Augustin Panon e Jean Julien Lousteau. 27 de outubro de 1709. Manuscrito. Extrato de Notários, subsérie 3E.
Coleção Arquivos departamentais da Reunião

Em 1714, Augustin Panon, um antigo carpinteiro, que tinha adquirido metade da propriedade dez anos antes,  tornou-se o único proprietário da concessão que se estendia desde a ravina Grand Hazier até à ravina Jean Bellon e a sul da estrada principal para Bagatelle .

O antepassado da dinastia Panon, soube prosperar ao adquirir várias concessões, e em particular a de Grand Hazier sobre a qual nunca viverá, preferindo a de La Mare onde construiu a casa mais bonita da Colónia  . Nas suas propriedades, cultiva trigo, arroz, mileto, batata doce, um pouco de cana-de-açúcar, frutas e vários vegetais. Em 1710, era proprietário de uma manada de mais de 250 animais.

Muitos escravos trabalharam nas propriedades do Grand Hazier e La Mare a fim de cultivar os 22 000 cafeeiros existentes nas terras de Augustin Panon com 1751 «arpents» .

 

Escravos de Augustin Panon 

 

Desforges-Boucher  que regressou à ilha em 1723, impôs aos colonos que limitassem as suas concessões, o que lhe permitiu obrigá-los a pagar impostos adaptados aos seus bens. A concessão da Grand Hazier adquirida por Augustin Panon cerca de vinte anos antes englobava mais de 62 000 gaulettes quadradas  isto é, 147 hectares. Em 1730, quando a sua esposa Françoise Châtelain morreu, a propriedade, totalmente adquirida em comunhão de bens, foi dividida entre Augustin Panon e os dez filhos dos quatro casamentos da falecida. Os nove filhos sobreviventes tornaram-se proprietários de uma parcela de terreno com cerca de 12 hectares e Augustin Panon de uma parcela com cerca de 110 hectares. A partir deste período, certos ramos da família Panon receberam os apelidos Panon Lamare, Panon du Hazier ⏤ provavelmente o proprietário do Grand Hazier, e que destaca a notoriedade deste lugar excecional ⏤ Panon du Portail, Panon de l’Inde e Panon Desbassayns.

A partir de 1715, a febre do café Moka surgiu na Ilha Bourbon, a família Panon bem como os seus herdeiros participaram ativamente nesta cultura, particularmente encorajados pelo Conselho Superior da Ilha. Em 1741   , Augustin Panon declara 32 000 cafeeiros, Louis Caillou, marido da filha Catherine declara 29 000, enquanto Jean Louis Gilles François Desblottières, marido de Marie, a filha mais nova, declara quase 40 000. Após a retrocessão da ilha pela Companhia das Índias ao Rei de França, a situação na ilha é preocupante, em 1772, 1773 e 1774, três grandes ciclones devastam as plantações, sendo o cultivo de café severamente afetado. Os grandes plantadores aproveitaram a angústia dos pequenos plantadores que tinham perdido tudo, recuperando terras adicionais. A riqueza de um proprietário não está apenas na terra que possui, mas também no número de cafeeiros e escravos. Este cultivo de café, que necessitava de mão-de-obra intensiva, levou ao início do comércio de escravos em grande escala.

Colheita do café. 1887. Gravura. In:  La Réunion et Madagascar / Fernand Hue, p. 119.
Coleção Biblioteca departamental da Reunião

Por volta de 1785, os proprietários do Grand Hazier chamavam-se Grinne, Gillot, Panon l’Inde , Sentuary  et Delaunay . sendo todos herdeiros ou aliados da dinastia Panon com exceção de Grinne. Jean Jacques Panon l’Inde  é sem dúvida um dos menos conhecidos dos filhos de Joseph Panon Lamare. Oficial das tropas em Pondicheri desde 1736, fez toda a sua carreira na Índia. Confiou a gestão da sua parcela de terreno em Grand Hazier ao sobrinho Pierre Auguste Delaunay, que já possuía uma parcela nas proximidades.

No entanto, foi em 1789 que um dos sucessores de Delaunay, Nicolas Caradec, um bretão de origem aristocrática, um antigo oficial que tinha lutado em Pondicheri e que casou com Madeleine Gillot  , filha de um rico proprietário de terras, concedeu ao Grand Hazier o seu título nobiliárquico. A propriedade foi então plantada com milho, arroz, trigo e mandioca, mas também com café e cravo-da-índia.

REUNIÃO. – Corte das canas-de-açúcar. Coleção H.M… [1899-19…]. Impressão fotomecânica.
Coleção privada Jean-François Hibon de Frohen. Direitos reservados

Quando o seu marido morreu em 1813, a propriedade tinha quase 52 hectares, e a viúva Caradec abandonou um pouco as culturas alimentares para embarcar na aventura da cana-de-açúcar, mandando construir uma refinaria, provavelmente antes de 1830, com a ajuda da família Nas de Tourris, que herdou a propriedade quando ela faleceu em 1843.

O número de escravos que trabalhavam na herdade no início do século XIX não tinha substancialmente mudado desde 1747. Quando a viúva de Nicolas Caradec e a família de Tourris embarcaram na aventura do açúcar e construíram a fábrica na propriedade de Grand Hazier, viram-se obrigados a trazer mais mão-de-obra, apesar da lei que proibia o comércio de escravos , Cinquenta escravos, incluindo cerca de vinte jovens cafres , foram listados no inventário após a morte de Marie Nicolas Gustave de Nas de Tourris.

 

 

 

 

 

 

 

O Grand Hazier foi particularmente explorado pelo filho de um colonizador bretão, um certo Jean Baptiste Marie Zéphirin Martin Renoyal de Lescouble que, de 1811 a 1838, descreveu a sua vida na Ilha Bourbon . Recordemos que o Grand Hazier era considerado na altura mais como um lugar do que como uma propriedade de pleno direito. Foi neste contexto que Lescouble viveu de 1811 a 1813, na terra do seu meio-irmão Grinne, não muito longe da terra pertencente a Caradec . Os vizinhos, com quem manteve relações amigáveis e de vizinhança, chamavam-se Caradec, Grinne e a viúva Fréon .

Planta em muito mau estado, sem data, encontrada num antigo edifício da propriedade. Parece datar da primeira parte do século XIX. Pode-se concluir que os edifícios estão localizados nos lugares onde hoje encontramos construções. A casa principal, provavelmente a que foi construída por Nicolas Caradec antes do final do século XVIII, é facilmente identificável — situa-se na extremidade oriental da propriedade (o edifício em forma de «U»).

A propriedade principal construída sob Caradec era feita de madeira, coberta de ripas de madeira e com painéis. Era relativamente modesta, porém obedecia aos padrões das casas crioulas dos grandes proprietários: uma casa de um andar, com uma varanda, uma sala de estar, uma sala de jantar e uma cozinha exterior. Situava-se defronte das numerosas cubatas da população servil e ao lado do «calbanon»  construído por volta de 1848. Visto que o estado da casa se degradou, a família Nas de Tourris reconstruiu-a por volta de 1860, sendo essa a casa que foi adquirida pela família Chassagne, os seus atuais proprietários.

Fachada principal, 1903. Fotografia.
Coleção privada da família Chassagne. Todos os direitos reservados.

Os numerosos contratados necessários à cultura da cana são duramente atingidos pela epidemia de cólera de 1859. Louis de Nas de Tourris, então presidente da câmara de Sainte-Suzanne, estava particularmente atento não só ao pessoal que trabalha na sua propriedade, mas também à população de Sainte-Suzanne. O seu zelo neste doloroso episódio vale-lhe ser promovido a Cavaleiro da Legião de Honra, sendo distinguido pessoalmente pelo imperador Napoleão III .

A crise que se seguiu levou os plantadores crioulos a encontrar outras formas de compensar a queda na produção de cana-de-açúcar.
O governador Darricau pediu a Louis de Nas de Tourris que fosse à Nova Caledónia para prospetar com a ideia de plantar cana-de-açúcar e construir novas fábricas. No seu regresso, convencido de que a cana-de-açúcar tinha encontrado um novo Eldorado, Louis de Nas de Tourris embarcou com a sua família e vendeu a propriedade, seguido por outros plantadores crioulos que embarcaram para a Nova Caledónia, não sem trazer consigo um certo número de empregados indianos especializados no cultivo da cana-de-açúca .

Edifício dos trabalhadores. 1903. Fotografia.
Coleção privada da família Chassagne. Direitos reservados
O «Calbanon» (alojamento dos trabalhadores) hoje em dia. Claude Rossignol. Janeiro de 2019. Fotografia.
Todos os direitos reservados.

Adolphe Richard e a esposa Marie Eugénie Deshayes compraram esta grande propriedade a Louis de Nas de Tourris, à qual acrescentaram a propriedade Belle Eau, localizada a norte de Grand Hazier em 1876. Adolphe Richard também sucedeu a Louis de Nas de Tourris como magistrado principal da cidade, cargo que manteve até à sua morte em 1885. A sua esposa viveu mais cinco anos, contudo, devido à complexidade da sucessão, levou algum tempo para proceder à liquidação.

No final do século, o Grand Hazier era delimitado por todos os lados pelas propriedades pertencentes à herança da viúva Jurien, que não era outra senão Camille Panon Desbassayns de Richemont , descendente de Augustin Panon, proprietário do Grand Hazier no início do século XVIII.

Sainte-Suzanne: vista aérea dos campos de cana-de-açúcar na zona de Grand Hazier e Bel Air. Jean Legros. 1955-1960. Fotografia.
Coleção privada de Jean Legros (1920-2004). Todos os direitos reservados.

Durante muito tempo coberta por florestas, Grand Hazier, cujas árvores desapareceram praticamente todas desta área próxima da costa, deu lugar, para além das culturas que se estendiam pelos 120 hectares que compunham a propriedade, a vários pomares: líchias, mangueiras, cajá-manga, árvore-do-pão, abacateiros, amendoeira-da-praia, palmeiras, cafeeiros, mangostões, etc. — inúmeras árvores de fruto que perfumavam a propriedade e ritmavam as estações do ano . Trinta pessoas trabalhavam nas culturas da propriedade.

Uma das alamedas no pomar. 1903. Fotografia.
Coleção privada da família Chassagne. Todos os direitos reservados.

Marie Eugénie Deshayes morreu sem descendentes apesar dos seus três casamentos, deixando aos seus doze herdeiros a tarefa de vender as suas numerosas propriedades espalhadas por toda a ilha. Em 1894, o Grand Hazier foi comprado por Ernest Vinson , que já possuía a propriedade de La Convenance  e uma propriedade em Chemin des Magasins em Sainte-Suzanne , preferindo permanecer na sua propriedade em Sainte-Marie e deixando a gestão de Grand Hazier a Marie Joseph Vincent de Paul Féréol Eugène Lépervanche .  Sem descendentes diretos, os seus numerosos herdeiros venderam o Grand Hazier e muitas outras parcelas de terra para fins financeiros. A empresa Lépervanche & Cie adquiriu a propriedade e vendeu-a a Albert Chassagne em 1903.

Albert Chassagne é descendente de uma família de Bordéus que chegou à Reunião em 1825. Engenheiro de formação, comprou o Grand Hazier depois de ter gerido a fábrica de açúcar em Quartier-Français. Em 1899, era o responsável pelo estabelecimento quando este foi destruído por um incêndio mortal que provocou, entre outros, a morte do supervisor da destilaria Tristan de Bernardy de Sigoyer, bem como de duas das filhas que tinham vindo em seu auxílio. A terceira filha de Tristan de Bernardy de Sigoyer , Marie Josèphe Léonie Benoîte, casou com Albert Chassagne em 1900.

Albert e Léonie e os seus filhos. Placa de vidro.
Coleção privada da família Chassagne. Direitos Reservados.

A partir de 1911, empreendeu a reconstrução da casa em mau estado que tinha sido construída pela família de Nas de Tourris. O lado inovador desta casa não deixa de lembrar que Albert Chassagne era um engenheiro de formação pleno de iniciativas. A estrutura metálica e as fossas sépticas logo chegariam à ilha, ao passo que o vidro, os tubos de ferro fundido e vários materiais foram adquiridos localmente. Desde o início do século XX, cultivou cana-de-açúcar, ylang-ylang, baunilha, bem como várias culturas alimentares como a mandioca, o milho e as ervilhas que as complementavam.

Fachada principal. Circa 1930-1935. Placa de vidro.
Coleção privada da família Chassagne. Direitos reservados.
A fachada principal hoje em dia. Claude Rossignol. Janeiro de 2019. Fotografia.
Claude Rossignol. Todos os direitos reservados.
Albert e Léonie a posar debaixo da grande mangueira na bancada. Fotografia.
Coleção privada da família Chassagne. Todos os direitos reservados.

Uma longa estrada ladeada de palmeiras de Madagáscar leva à casa principal. Os pomares foram aprimorados sob a égide de Albert Chassagne, há árvores magníficas, espécies de excecional diversidade , o passeio é agradável e sombrio, cruzamos por vezes pandanus, ananases selvagens, palmeiras, cacau, banana, árvore-do-pão, etc. A lista está longe de ser exaustiva, uma vez que a variedade é grande. A horta de dois mil metros quadrados não lhes fica nada aquém com batata doce, beringelas, mandioca, milho e cambares que são tão plantados como as espécies mais comuns como saladas, nabos, cebolas e cenouras. Sem esquecer o açafrão, o combava, a malagueta e o gengibre, principais ingredientes da confeção de rougails e caris .

Os estábulos e o caminho que conduz ao acampamento dos trabalhadores. Por volta de 1930. Fotografia.
Coleção privada da família Chassagne. Direitos reservados.

Após a morte de Albert Chassagne, a viúva e os filhos formaram uma Sociedade Civil Imobiliária, uma empresa que perdura desde 1947, um dos bisnetos do casal Albert Chassagne/Léonie Bernardy de Sigoyer tendo assumido o cultivo da cana-de-açúcar em Grand Hazier. Uma empresa  produtora de baunilha também se instalou precisamente no mesmo local dos antigos estábulos e mostra as suas infraestruturas e saber fazer aos muitos turistas que por ali passam.

Bibliografia

ABALAIN, Hervé, Le français et les langues historiques de la France, Editions Jean-Paul Gisserot, 2007.

AUPIAIS, Damien, Les immigrants bretons à l’île Bourbon de 1665 à 1810, d’après le dictionnaire généalogique des familles de l’Ile Bourbon (La Réunion) de L.G. Camille Ricquebourg, Collection Mor Braz Editions, Edition JFR/Grand Océan, Saint-Paul, 2006.

AUPIAIS, Dominique, La part celtique dans l’héritage culturel et politique des comptoirs français de l’océan Indien, thèse de doctorat, Université de La Réunion, 2011.

BARASSIN, Jean, La vie quotidienne des colons de l’île Bourbon à la fin du règne de Louis XIV, 1700-1715, Cercle Généalogique de Bourbon, Saint-Denis, 1989.

BENARD, Jules et MONGE, Bernard, L’épopée des cinq cents premiers réunionnais, Dictionnaire du peuplement (1663-1713), Azalée Editions, Sainte-Marie (La Réunion), 1994.

BOUCHER, Antoine, Mémoire pour servir à la connoissance particulière de chacun des habitans de l’Isle de Bourbon, Editions ARS Terres Créoles, Saint-André, 1989.

BREST, Pierre et CARTON, Virginie, La Réunion dans la Grande Guerre, ONAC, 2017.

COMBEAU, Yvan, « De Bourbon à La Réunion, l’histoire d’une île (du XVIIe au XXe siècle) », Hermès, La Revue 2002/1 (n° 32-33).

DAGET, Serge, L’abolition de la traite des noirs en France de 1814 à 1831, les cahiers d’études africaines, vol. 11, N°41, 1971.

DEJEAN de La BATTIE, Antoine, Histoire Généalogique de la famille NAS de TOURRIS en Provence et à l’Ile Bourbon, Jules Céas & Fils éditeurs, Valence-sur-Rhône, 1934.

DELATHIERE, Jerry, L’aventure sucrière en Nouvelle Calédonie, 1865-1900, Société d’Etudes Historiques de la Nouvelle-Calédonie N°64, 2009.

DELATHIERE, Jerry, Ils ont créé La Foa, familles pionnières de Nouvelle-Calédonie, édité par la mairie de La Foa, 2000

DUPON, Jean-François, Les immigrants indiens de la Réunion. Evolution et assimilation d’une population. Cahiers d’outre-mer. N° 77 – 20e année, Janvier-mars 1967. pp. 49-88.

EGON, J.P, Connaissance de l’architecture réunionnaise, septembre 1983.

EVE, Prosper, Un Quartier du « Bon Pays », Sainte-Suzanne, de 1646 à nos jours, Océan Editions, Saint-André (La Réunion), 1996.

GÉRARD, Gilles, La famille esclave à Bourbon, Thèse de doctorat, Université de La Réunion, 2011.

GÉRAUD, Jean-François, maître de conférences, Kerveguen sucrier, Université de La Réunion.

GÉRAUD, Jean-François, Les maîtres du sucre, Ile Bourbon, 1810-1848…, Océan Editions, Saint-André, 2013.

GÉRAUD, Jean-François, LE TERRIER, Xavier, Atlas historique du sucre à l’Ile Bourbon/La Réunion (1810-1914), Océan éditions, Saint-André, 2010.

GOUSSEAU, Sylvie, « BEAUREGARD », une plantation de la côte au vent, fondation pour la recherche dans l’Océan Indien, 1984

HO, Hai Quang, Contributions à l’histoire économique de l’île de la Réunion (1642-1848), L’Harmattan, Paris, 1998.

JAUZE, Albert, Notaire et notariat, Le notariat français et les hommes dans une colonie à l’Est du Cap de Bonne-Espérance, Bourbon-La Réunion, 1668 – milieu du XIXe siècle, Thèse de doctorat en histoire soutenue en 2004, Editions Publibook, Paris, 2009.

LEVENEUR, Bernard, JONCA, Fabienne, Le Grand Hazier, un domaine créole, 4 épices éditions

LOUGNON, Albert, L’île Bourbon pendant la régence, Desforges-Boucher, les débuts du café, revue d’histoire, Paris, 1956.

LUCAS, Raoul et SERVIABLE, Mario, Commandants & Gouverneurs de l’île de La Réunion, Océans Editions, 2008.

MAZET, Claude, L’île Bourbon en 1735, les hommes, la terre, le café et les vivres, 1989, co-édition du Service des Publications et du Centre de Documentation et de recherche en histoire Régionale de l’Université de la Réunion

MERGNAC, Marie-Odile, Archives de notaires et généalogie, Editions Archives et cultures, 2015.

MERGNAC, Marie-Odile, Utiliser le cadastre en généalogie, Editions Archives et cultures, 2015.

MORIZOT, Joseph, Considérations historiques et médicales sur l’état de l’esclavage à l’île Bourbon (Afrique) suivi du testament de Madame Desbassayns, Editions Orphie, 2019

PANON DESBASSAYNS, Henry Paulin, Petit journal des Epoques pour servir à ma mémoire (1784-1786), Edité par Annie Laforgue, musée historique

RAMSAMY-NADARASSIN, Jean-Régis, Les travailleurs indiens sous contrat à La réunion (1848-1948), Thèse de doctorat, 2012.

RENOYAL de LESCOUBLE, Jean Baptiste, Journal d’un colon de l’île Bourbon, 3 volumes, L’Harmattan, Editions du Tramail, 1990.

RICQUEBOURG, L.J. Camille, Dictionnaire généalogique des familles de l’île Bourbon (La Réunion), 1665-1810, Patman printing, Pailles, Ile Maurice, 2001.

SCHERER, André, Guide des archives de La Réunion, Saint-Denis, Imprimerie Cazal, 1974.

SMIL, Yannick, Les spécificités du bornage à l’île de La Réunion et leurs origines, mémoire présenté en vue de l’obtention du diplôme d’ingénieur ESGT, Le Mans, 2002.

SPEEDY, Karin, Colons, Créoles et Coolies, L’immigration réunionnaise en Nouvelle-Calédonie (XIXe siècle) et le tayo de Saint-Louis, Editions L’Harmattan, Paris, 2007.

WANQUET, Claude, Histoire d’une révolution, La Réunion (1789-1803), tome I, Editions Jeanne Lafitte, 1980.

+ Exibição
— Esconder
Notas
[1] Julgamento de Vauboulon.

[2] Henry Hesse d'Orgeret foi Governador de Bourbon de 1 de dezembro de 1674 a 17 de junho de 1678.

[3] ADR, 3E29, correspondência entre Julien e Panon de 27 de outubro de 1709.

[4] Augustin Panon nasceu em 1664 em Toulon (Var), filho de um padeiro, chegou à ilha Bourbon no final de 1689 a bordo do navio Saint Jean Baptiste.

[5] ADR, C°1921, Registo das concessões de 1690 a 1725.

[6] ADR, C°1921, Registo das concessões de 1690 a 1725 - Contrato de concessão de Augustin PANON de 26 de julho de 1724.

[7] BOUCHER no seu «Mémoire pour servir à la connaissance particulière de chacun des habitans de l'Isle de Bourbon» disse sobre ele: «excelente carpinteiro e marceneiro, tinha construído em La Mare uma residência muito bonita que durante uma parte do século XVIII teve a reputação de ser de uma conceção e solidez excecionais».

[8] 438 hectares.

[9] ADR, censos de 1708 a 1747, C°767 à C°793.

[10] Antoine LABBÉ conhecido como Desforges-Boucher, nascido em Brest por volta de 1679, contratado como marinheiro num navio com destino às Índias. Raptado pelos mouros e mantido em cativeiro, foi libertado em 1695 por Séguier de Liancourt, governador de Pondicheri. Chegado por acaso à ilha Bourbon, o governador de Villers ofereceu-lhe um cargo de chefe de armazém, regressando a França com uma fortuna ganha no jogo. Casou com Charlotte Duhamel, sobrinha do diretor da Companhia das Índias francesas. Voltou a Bourbon como assistente do governador em 1718, alcançou a posição mais alta da ilha em 1723 e faleceu a 1 de dezembro de 1725.

[11] A «gaulette» de 15 pés equivale a 4872m.

[12] ADR, C°787, censos individuais de Saint-Denis de 1741.

[13] Filho de Joseph Panon Lamare.

[14] Cunhado de Catherine Panon.

[15] Filho de Suzanne Panon.

[16] Nomeado chefe dos entrepostos de Narsapur e Yanaon em 1757, depois capitão de uma companhia de voluntários em Mazulipatam, regressou a Yanaon e de seguida a Chandernagor e morreu em Patna em 1802 onde tinha sido nomeado chefe do entreposto desde 1773

[17] sobrinha de Françoise Grayell, filha de Anne Panon.

[18] A 26 de julho de 1817, uma portaria promulgada na Ilha Bourbon foi completada pela lei de 15 de abril de 1818 que proíbe o comércio de escravos no seio do Império Colonial Francês.

[19] Nativos da África Austral.

[20] RENOYAL de LESCOUBLE, Jean Baptiste, Journal d’un colon de l’île Bourbon, 3 volumes, L’Harmattan – Editions du Tramail – 1990.

[21] Caradec vivia na propriedade correspondente àquela que conhecemos hoje.

[22] Elisabeth Euphrasie Léger, esposa de Laurent Lambert Fréon, neta de Marie Esparon, filha de Françoise Châtelain, proprietária do domínio de Belle-Eau situado a norte do Grand Hazier e da estrada principal que vai de Saint-Denis a Sainte-Suzanne.

[23] Ao contrário da palavra «cabanon» que, em francês, designa uma cabana ou em provençal uma pequena casa de campo, o termo crioulo aplica-se a um alojamento que permanece o símbolo do «acampamento destinado aos escravos, depois aos contratados» que trabalhavam nas plantações de cana-de-açúcar. Era um grande edifício de madeira ou pedra com um telhado de palha, telha ou ripas de madeira, dividido em divisões idênticas (uma única fila sob um telhado de uma só água, ou duas sob um telhado de duas águas). Cada aposento, medindo aproximadamente 3 a 4 metros de lado, era iluminado durante o dia pela porta de entrada única e por pequenas aberturas na parte superior da parede traseira, e era isolado por divisórias de pedra ou madeira; sendo ocupado por uma família ou por várias pessoas solteiras. Reduzido ao papel exclusivo de um dormitório, era desprovido de um ponto de água; todas as atividades relacionadas com a higiene e nutrição eram deixadas ao engenho dos ocupantes. (ROBERT, René, e BARAT, Christian, Dictionnaire illustré de La Réunion, Editions Diffusion Culturelle de France).

[24] DEJEAN de La BATIE, Antoine, Histoire généalogique de la famille NAS de TOURRIS en Provence et à l'Ile Bourbon, edição de 1934.

[25] DELATHIERE, Jerry, Ils ont créé La Foa, familles pionnières de Nouvelle-Calédonie, publicado pela Câmara Municipal de La Foa, 2000.

[26] Marie Antoinette Camille Panon Desbassayns de Richemont, nasceu a 4 de agosto de 1811 em Saint-Denis (ANOM, registo de casamentos de Saint-Denis de 1831, assento N°18), filha de Joseph Panon barão Desbassayns e de Marie Elisabeth Pajot esposa de Louis Charles Jurien (1797-1858), Visconde de La Gravière, Oficial da Legião de Honra, Comissário Geral da Marinha, Prefeito de Rochefort, falecido em Paris a 11 de agosto de 1878. (Archives municipales de Paris, VIe arrondissement, V4E 3205, registo de óbitos, assento n°1614)

[27] ADR, 4Q250, Adjudicação de 12 de julho de 1894.

[28] Filho de Jean Elie Vinson, Comissário da Polícia e de Marie Gertrude Adélaïde Ducastaing e sobrinho de François Auguste Vinson, médico. Publicou uma memória que apresentou à jovem Academia Real de Medicina criada em 1820, demonstrando a capacidade transmissível da cólera. Foi o autor de muitas obras de referência sobre medicina tropical.

[29] Situada em Sainte-Marie.

[30] Atualmente La Marine

[31] Descendente de Françoise Châtelain por Marie Anne Grayell.

[32] Descendente de Françoise Carré e Suzanne e Marie Esparon, filhos de Françoise Châtelain esposa de Augustin Panon.

[33] GOUSSEAU, Sylvie, Beauregard, une plantation de la côte au vent, Fundação para a investigação no oceano Índico, 1981

[34] Ibid

[35] http://www.lavanilleraie.com/

+ Exibição
— Esconder
Uma sociedade de plantaçãoAs grandes famílias de plantadores
Imprimir
texto em formato PDF
Partilhar esta página
nas redes sociais
   
Autor
Claude ROSSIGNOL

Genealogista